Adriana Calcanhotto

         Cantora e compositora nascida em Porto Alegre iniciou a carreira cantando em bares e casas noturnas de sua cidade natal, até se mudar para o Rio de Janeiro, em 1980. Na infância tem em casa um ambiente que favorece seu aprendizado musical, é filha de Carlos Calcanhoto, baterista da Doctor Jazz Band, e da bailarina Morgada Cunha. Começa a ter aulas de violão aos 6 anos e compõe suas primeiras músicas na adolescência.

         Desde o primeiro álbum, lançado pela CBS, nos anos 90, Adriana trouxe canções de autoria canções de autoria como a faixa título e Mortaes e regravações de clássicos da MPB.

         Naquela estação, por sua vez, integrou a trilha sonora da telenovela global Rainha da Sucata, de Sílvio de Abreu (1990). No ano seguinte, recebeu o Prêmio Sharp de revelação feminina. No segundo trabalho, Senhas, de 1992, o repertório estava focado nas canções de autoria, com destaque para Esquadros e Mentiras; esta última foi incluída na trilha da novela Renascer, de Benedito Ruy Barbosa.

          Prosseguiu com o álbum Maritmo, que simulou uma incursão pela dance music (Pista de dançaParangolé Pamplona), samplers (Vamos comer Caetano), e a regravação de Quem vem para beira do mar, de Dorival Caymmi.

         Em 2004, Adriana lançou o álbum Adriana Partimpim, uma seleção de canções para crianças, com o qual ganhou o prêmio Grammy Latinode melhor álbum infantil.  O título do CD é um apelido de infância e, segundo Adriana, seu pai continua a chamá-la dessa maneira.

       Após realizar uma residência artística de dois anos na Universidade de Coimbra, em Portugal, onde foi nomeada Embaixadora da Língua Portuguesa, no final de 2015, Adriana idealizou o projeto “A Mulher do Pau-Brasil”, que originou uma turnê pela Europa e por diversas cidades do Brasil. No repertório músicas novas, compostas durante seu intercâmbio lusitano, grandes sucessos da carreira, como “Inverno”, “Esquadros” e “Vambora” e releituras de músicas de grandes compositores, como “As Caravanas”, de Chico Buarque.